Comunicado – Reflexão do impacto da pandemia de COVID-19 no Ensino Médico-Dentário

No presente comunicado, a ANEMD explanou as suas considerações quanto à reflexão do impacto da pandemia de COVID-19 no Ensino Médico-Dentário, após a discussão que ocorreu na 11ª Assembleia Geral da ANEMD.

O Ensino Superior enfrentou um dos períodos mais difíceis da sua história com a pandemia de COVID-19, sem precedentes, o que levou à necessária reação de adaptação a uma nova realidade num curto espaço de tempo. O exercício realizado pelas Instituições de Ensino Superior é de louvar pela complexa realidade que enfrentaram, no entanto há que fazer uma reflexão do que aconteceu ao longo dos últimos 6 meses. A análise realizada pela ANEMD visa promover uma discussão sincera e aberta de forma a colmatar algumas das dificuldades vividas. O comunicado foi enviado pela Direção da ANEMD às sete Escolas Médico-Dentárias e à Ordem dos Médicos Dentistas (OMD).

Do mesmo, a ANEMD realça o seguinte excerto:

A formação médico-dentária não deve ser descurada, a sua especificidade única exige de todos uma postura cooperante na resolução dos desafios que são impostos. A articulação nacional entre as 7 Escolas Médico-Dentárias continua a ser urgente e indispensável para uma melhor resolução de problemas específicos ao currículo do MIMD. Assim, a Associação Nacional de Estudantes de Medicina Dentária:
• Exalta o papel essencial que as Associações/Núcleos têm no apoio aos estudantes e como meio de comunicação entre estes e as suas Instituições;
• Apela à divulgação dos apoios aos estudantes por parte das Instituições de Ensino, auxiliando os estudantes no acesso e compreensão dos mesmos, entre os quais: Bolsa de Estudo DGES, Ação Social de Emergência, Complemento de Alojamento, entre outros;
• Defende e apela a um cuidado especial no acompanhamento às teses de mestrado e atividades práticas clínicas e pré-clínicas, assim como, aos estudantes do 4º ano do ano letivo 2019/2020, finalistas no ano que agora inicia;
• Exige espaços devidamente preparados e organizados para a paramentação e desparamentação dos estudantes com prática clínica;
• Sugere à OMD um especial acompanhamento aos recém-graduados, com um foco especial nos recém-graduados de 2020/2021;
• Exige que sejam asseguradas aos estudantes as horas de contacto clínicas e pré-clínicas previstas nos planos de estudo;
• Alerta para a importância da criação e correta divulgação dos guias de boas práticas implementados em cada Instituição;
• Incentiva à articulação nacional entre as sete Escolas Médico-Dentária na discussão e preparação de soluções conjuntas, garantindo a operacionalização destas soluções de forma organizada e impedindo o aumento de discrepâncias na formação médico-dentária em Portugal. Isto, através da criação do Conselho de Escolas Médico-Dentárias (CEMD).